sexta-feira, 28 de maio de 2010

Outros Tempos...

Seguia com certa avidez pela Avenida Doutor José Maria, na Tamarineira, já nas imediações do Parque da Jaqueira. Dirigia meu veículo com destreza, tentando chegar logo ao meu destino, já que tinha importante compromisso de trabalho.

O semáforo amarelou. Acelerei para fugir do seu vermelho inclemente. Sem correr riscos, atravessei o cruzamento com a Avenida Rosa e Silva. Tudo tranquilo. Todavia, um pedestre atravessava a rua mais à frente. Nenhum risco de colisão. Reduzi a velocidade, normalmente, e aí percebi que o transeunte era um senhor de idade, que andava com certa dificuldade e gesticulava brandamente com as mãos, como que pedindo calma para que atravessasse em segurança. Viajei naquela imagem...

Em mim, a constatação de que, sim, vivemos outros tempos. A era da aceleração, da correria, da desatenção, da individualidade. Ao passar pelo velho homem, dei uma buzinada de leve, como que me solidarizando como ele. Em vão. Pela sua expressão desolada, percebi que nele ficara a certeza de que está mesmo ultrapassado – alguém de uma época mais amena ‘forçado’ a viver nessa selvageria social da atualidade. E ainda que eu, conscientemente, não me sinta incluído nisso, não deixei de me afetar.

São outros tempos, realmente. A selvageria superou o bom senso. A sede pelo poder há muito superou o senso de coletividade. Aí entro naquelas reflexões sobre o futuro. Se o presente assim nós é, como enxergar o futuro?

Foi quando lembrei uma notícia publicada no JB online, datada de agosto de 2004 (assim como o tema foi mote, posteriormente, de várias outras matérias em sites e publicações de renome). O teor? A erupção do vulcão Cumbre, na Ilha de Palma (Canárias), que irá provocar ondas gigantescas que atingirão grande parte do globo terrestre em questão de horas. Sem previsão exata para acontecer, as possibilidades de uma catástrofe global são imensas.

(no Google, bastar colocar o nome do vulcão para conferir as notícias a esse respeito)

Será uma mudança forçada de ritmo? Será a resposta do universo para o bumerangue sangrento que estamos atirando dia a dia? Será o meio mais eficaz para ‘limpar’ nosso planeta de habitantes tão desumanos? Será a confirmação de tantas profecias que vêm nos avisando há tanto tempo? Será?

Independentemente de qualquer resposta certeira, fico com a imagem do senhor de idade tão carente por uma vida mais humana. Sua feição de desencanto ainda provoca em mim um desejo de mergulhar na verdadeira paz que o mundo precisa. Só não sei se esse mergulho dar-se-á nas agitadas águas de um megatsunami...

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. SIDNEY AMIGO, MUITO OBRIGADO PELA INCLUSÃO DO MEU SITE/BLOG NO 2 EM 2. E SEM PEDIR PERMISSÃO JÁ AVISO QUE COLOQUEI O SEU SITE NO MEU SITEROLL TAMBÉM. PROCURE LOGO ACIMA JUNTO DO BLOG DA TÂNIA LEIMIG BIOÉTICA. GRANDE ABRAÇO, BRUNO TAVARES.

    ResponderExcluir
  3. Beleza, amigo! Somos "leitores recíprocos"... Abração!

    ResponderExcluir
  4. Sempre leio seus textos, caro companheiro Sidney. Abração!

    ResponderExcluir
  5. Massa, Elton! Valeu pela audiência!

    ResponderExcluir
  6. " O trânsito de Recife é o mais desrespeitoso com o pedestre" em outros Estados o motorista ainda para para o pedestre passar, mesmo estando em locais sem s sinalização. É horrível!!!!

    ResponderExcluir