terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

A Falsa Democracia

“Posso não concordar com nenhuma palavra do que dizes, mas defenderei até a morte o teu direito de dizê-las”. (Voltaire)




Não, você não sabe o que é democracia. Nem eu.

A falsa democracia é moda eterna. Rachel Sheherazade, jornalista do SBT, que o diga. Tendo espaço para dar opinião própria num telejornal, não poupa palavras para criticar o que acha errado, assim como para elogiar o que acredita ser louvável. Opiniões pessoais. Nada demais, não fosse a já citada distorcida forma de exercer-se numa sociedade que se diz democrática.

A última polêmica foi o comentário acerca do ladrão carioca que foi preso nu a um poste por populares, enquanto a polícia chegava para fazer a prisão. A imagem é absurda (foto). A ausência do Poder Público, também. E a opinião da jornalista foi incisiva, defendendo a ação dos cidadãos quando o tal Poder Público não se faz presente – o que chamou de legítima defesa coletiva (além de menosprezar o jovem da foto, o ladrão, chamando-o de ‘marginalzinho’). Por se expressar dessa forma, foi achincalhada. Certas opiniões devem ser medidas antes de serem exteriorizadas (ainda mais em se tratando de um telejornal), mas democracia é democracia. Não há meios termos. Uma opinião apenas é. Aceitá-la é-nos obrigação, ainda que não se concorde com ela (até porque, nesse caso, não vi ninguém se preocupar de verdade com a situação social do ladrão em questão!).

Pra mim, fazer justiça com as próprias mãos, como ficou subentendido na opinião da moça, é reprovável (ainda que concorde plenamente que o Governo tão pouco venha fazendo para minimizar os problemas da segurança pública no país), assim como sou contrário a atos de humilhação como esse a que o ladrão foi exposto (ainda que não concorde absolutamente com crime de roubo ou de qualquer espécie), mas que direito tenho de cercear o direito de opinião alheia quando eu mesmo expresso aqui o que penso?

A questão é recorrente. Na época das manifestações populares generalizadas (sim, na época, pois já passou, o gigante dormiu...), as redes sociais ficaram recheadas de intolerância. Os ‘mobilizados’ desciam a lenha em quem se expressava contra – quem defendia o direito de ir pra rua expressar sua indignação repreendia o direito do outro de discordar. Exemplo vívido de intolerância. E é essa mesma intolerância que simboliza essa falsa democracia e produz todos os preconceitos e desarmonias. Não aceitamos o diferente. Não aceitamos o que destoa do que pensamos. Vivemos como se fôssemos deuses na arte da crença. E, assim, só nos apequenamos diante dessas demonstrações cabais de antidemocracia.

O caso de Rachel Sheherazade vale para qualquer cidadão (Jair Bolsonaro, Marcos Feliciano, Danilo Gentili, você, eu...). Expressar-se é um direito. Os excessos, claro, aqueles que ferem as leis vigentes, são passíveis de enfrentamento legal. Mas não esqueçamos que a democracia é a grande lei num ‘estado democrático de direito’. Ou deveria ser.

...

OBS.: não concorda comigo? Tudo bem...

3 comentários:

  1. Voltaire sempre estará certo, seja lá quanto tempo se passe. Concordo completamente com você e sua linda crônica, meu amigo.
    O estado, de olhos vendados, se nega a enxergar as catástrofes, que não são naturais, causadas por homens, vulgo cidadãos, que deveriam amar e proteger sua nação e seu povo.
    Estamos num estado de inércia tão grande, ante nós mesmos, indiferentes ao nosso poder de "humanos", que tudo acaba sendo natural, até mesmo, virarmos "bichos"para não lutarmos, dessa vez sim, por uma digna, verdadeira e plausível justiça social, com igualdade para todos os homens.
    Que pena, que os corações, das pessoas desiludidas, estão pedrando. Parabéns pelo belo texto! Beijo no coração. Lígia Beltrão

    ResponderExcluir
  2. Pois é, cara Lígia... Grato sempre! ;)

    ResponderExcluir
  3. Você escreve muito bem, um exemplo a ser seguido. Parabéns.

    ResponderExcluir