sexta-feira, 18 de novembro de 2011

O Homem Velho que Sou

Foto: Arnaldo Carvalho

Às vezes
Sinto-me tão senil,
Um homem velho,
De velhas idades,
Idades estas vividas
Num curto ciclo juvenil.

Talvez seja a vida
Impondo-me seu relógio veloz,
Com ponteiros ousados,
Sincronizados com um tempo finito.

Talvez seja eu mesmo,
Impaciente, audaz,
Burlando meu chegar paulatino
Com passadas apressadas.

E esses “talvez”, agora,
Sequer interessam mais,
Pois vejo que tão somente sou
Como qualquer outro,
Velha alma, jovem corpo,
Ser longínquo sem idade...

9 comentários:

  1. O grande contraponto da existência atingido em cheio pela sua visão sensível, sermos almas eternas em corpos peressíveis...

    ResponderExcluir
  2. O que é idade afinal? senão a cronologia de um tempo que por si só, atravéz das rugas, vai-se fazendo sozinho sem dar-se conta que envelhece-se ao nascer. E o que é envelhecer senão a disposição de curvar-se ao tempo e com ele, e só nele aprender e evoluir. Ele que nunca faz-se velho.

    abraços

    ResponderExcluir
  3. Depois de duas mulheres inspiradíssimas, nada tenho a falar. Parabéns novo amigo pelas palavras, suas e de suas amigas.

    ResponderExcluir
  4. Interessante. Gostei do texto =D
    Seu Blog é fantástico. Seguindo sem medo :D
    Abraços.

    http://papeldeumlivro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Beleza Éwerton! Seja bem vindo... Abs!

    ResponderExcluir
  6. Jovens aprendizes na existência, buscando alinhar os relógios dos tempos interno e externo

    Estejamos equilibrados...
    ;*

    ResponderExcluir